Abô

Abô

 

unnamed (1)

Água sagrada. Agbo ou simplesmente abô, são os nomes usados pelo povo do santo para denominar o banho resultante da mistura de folhas sagradas, usada na feitura de santo até a última obrigação chamada de axexe. Essas folhas são colhidas seguindo todo um ritual e horários para colheita.

Cada casa segue seu ritual e por isso o abô pode conter além das folhas outros elementos, como azeite, mel, sangue de animais.

Também é utilizado na sacralização de objetos como fio de contas, igbá orixá ,espaços sagrados e n limpeza e purificação do corpo.

Sua utilização é larga e irrestrita, significando principalmente a ligação entre o Orun e o Aiyê ( céu e terra).

Até mais.

Axé.

 

Anúncios
A importância dos Chakras na mediunidade

A importância dos Chakras na mediunidade

images (19)

Os Chakras, do sânscrito Roda, são os pontos localizados no corpo etérico – duplo-etéreo – e que conectam, através de fios ou cordões energéticos tanto o corpo material quanto o corpo espiritual.

Eles estão por todo o sistema energético humano, porém os principais são os sete maiores, que se encontram mais ou menos alinhados com a nossa coluna vertebral, são: Básico, Sexual, Umbilical, Cardíaco, Laríngeo, Frontal e Coronário

Screenshot_20180718-144327

Coronário: Através desse chacra que a entidade manipula nosso sistema nervoso central. Também é por esse chacra que temos nossas intuições, o recebimento das comunicações espirituais,  aonde podemos escutar sons, palavras, ruídos e vozes.

Frontal: Esse chacra tem a vidência, recebimento de informações por telepatia ou visão direta.

Laríngeo: Por onde a entidade utiliza a voz do médium, podendo ser inclusive outros  idiomas que o próprio médium desconhece.

Cardíaco: Por onde a entidade transmite a sensação e o sentimento, de força, alegria, tristeza, raiva, impaciência e amor. Algumas das vezes dando aceleração cardíaca.

Gástrico: É de onde são retiradas a energia para doação. Esse chacra também recebe as sensações de ardência, enjôos e dores.

Esplênio ou umbilical: É o chacra que tem a maior importância da doação de Ectoplasma.
Devido aos espíritos utilizarem o ectoplasma, muitos médiuns ao término de uma sessão ou gira, sentem-se cansados, sem energia, e com grande apetite . Esta situação ocorre devido a retirada de parte do ectoplasma do médium por parte dos espíritos trabalhadores. Isso é normal, faz parte do processo, por isso é importante que o médium se cuide bebendo bastante líquidos, uma boa alimentação e repousar quando possível.

Básico ou Sacro: É a região que mais é usado para os Exus e Pombagiras, é o chacra que regula a disfunção sexual. Trabalha com a sensualidade e organização energética. Essa influência se manifesta com sensações de vigor, auto-confiança, determinação e coragem.

O descontrole ou obstrução do chacra pode atingir nossa energia vital trazendo consequências para a saúde e a vida. Já o seu bom funcionamento estimula o auto-conhecimento e a realização não só na vida material como na espiritual.

Até mais. Axé.

Caboclos- Caboclo Tapindaré

Caboclos- Caboclo Tapindaré

PhotoGrid_1531062649202

Pretendo sempre postar sobre as entidades em geral aqui e hoje vou começar por um caboclo muito respeitado e amado por mim: Seu Tapindaré.
Há um ano eu tive o privilégio de receber o seu chamado , e me sinto feliz por isso.
As cores desse caboclo são vermelho, amarelo e verde..
Seu Tapindaré é uma entidade espiritual das matas do Maranhão pertencente a Família da Turquia, dinastia de nobres turcos que foram encantados no Maranhão . Ele é um caboclo forte , bonito , cacique de grande poder espiritual. Caboclo ortodoxo, sério, não gosta de nada de fora da mina. Também é caboclo velho, junto com Tabajara entrou na Mata. Ele quando está na guma não admite que se cante para outra família que não a sua.
Há muito pouco sobre este caboclo, então eu agradeço qualquer fonte que possam me indicar que fale sobre ele.
Um dos pontos dele…
Ele é caboclo de Tapindaré (2×)
Mas ele é homem não é mulher (2×)
Ele carrega sua flecha na ponta do pé
Ele entrega seu penacho para quem quiser…
Salve Caboclo Tapindaré! Okê caboclo!
Até mais. Axé

Nações do Candomblé e a mudança de nação

Nações do Candomblé e a mudança de nação

Na África Desde cedo ensinam que tudo que nos cerca está repleto de energia e é essa energia que controla os acontecimentos e o ciclo vital. São os Orixás, voduns ou inkices como são chamados.

textgram_1530756045

A África por ser um continente tão grande possuia em cada parte de seu território um reino onde cada uma das energias eram cultuadas de modo diferente. E assim surgiram as nações do candomblé.

Quando esses povos foram atacados brutalmente e tirados à força de suas nações para serem escravos, eles espalharam pelo mundo uma mistura de tradições, que deu origem a outras vertentes do Candomblé (como as presentes no Brasil). Essas eram as únicas maneiras de acreditarem que toda sua história não acabaria ali.

Aqui no Brasil as nações mais fortes são: Nação Angola, Nação Jeje e Nação Ketu.

Angola: é considerada afro-brasileira pois mistura traços de origem bantu, – que compreende localidades do Congo e Angola . Os ensinamentos são passados pelo Tata Nkisi e Mametu Nkisi ( pai e mãe de santo) . Orixás são denominados como Inquices (Inkices), e seu Deus maior é o Zambi.

Ketu: é a mais conhecida no Brasil. Foi fundado na Bahia por princesas de Ketu e Oyó que chegaram aqui como escravas na tentativa de salvar sua cultura. Os ensinamentos são passados pelos Babalorixás e yalorixás. Os Orixás e o idioma utilizado são de origem yorubá.

Jeje: Sua origem foi no Maranhão, mas ele se espalhou pelo, Amazonas Nordeste, São Paulo e Rio Grande do Sul. Os Orixás são chamados voduns . As denominações dos sacerdotes são diferentes e dependem do tipo de culto:

Mina-jeje: Tochê/Nochê

Família de Hevioso: Doté/Doné

Família de Dan: Megitó

A casa de santo que frequento atualmente está mudando da nação ketu para nação Jeje. Então uma pergunta logo surgiu: o que muda quando uma casa troca de nação?

Esse assunto é muito pouco divulgado e em pesquisas achei muito pouco, por isso não me estenderei muito no assunto mas prometo que vou em busca de novas respostas para sanar as dúvidas de vocês e as minhas como se deve.

Mudam-se os costumes, os toques, o saudar as divindades, é tudo um novo aprendizado. Mas isso não quer dizer que um novo caminho tenha que ser traçado. As mudanças são na liturgia e nas partes sociais: cumprimentos, nomenclaturas…mudança de nação é reaprender e não reiniciar.

Até mais. Axé.

O início

O início

Oi gente boa tarde!O tema desse post  de hoje fala exatamente sobre o tema deste blog ” Casa de Abian” , que na verdade é o que sou atualmente dentro da casa de santo que frequento. Espero aqui poder dividir conhecimento e também obter, pois dúvidas são tão comuns nesse início de caminhada não é mesmo? Mas vamos lá…

Abiã , ou abian,significa “aquele que começa um novo caminho” ,  é toda pessoa que entra para a religião do candomblé, sendo também chamado de filho de santo.Após passar por determinadas etapas como jogo de búzios e rituais como o ebori, só receberá outra denominação quando for iniciada, passando a ser, então, um iaô.

É uma pessoa que está começando um novo aprendizado na vida espiritual.  Nesse importante período ele tem contato com os já iniciados, observa os comportamentos, desempenha tarefas, aprende, tudo para que mais a frente ele possa saber se está  no caminho certo.

O abian é o futuro da casa de axé, por isso é importante desde os primeiros passos ter disciplina, observar as atitudes dos mais velhos ( egbomis), ter respeito não  só por seu orixá mas por todos, mas principalmente estar livre de toda vaidade e entender que o importante não é fazer o santo e sim saber  o porquê se iniciar .

Até mais. Axé.